Black Friday será diferente e com forte venda online
novembro 23, 2020
Duas mulheres olham uma vitrine bem montada para as vendas de Natal.
Ainda dá tempo para lucrar com as vendas de Natal
dezembro 22, 2020
Exibir tudo
Cliente consulta o celular para ver o banco virtual do beOne.

O dinheiro será cada vez menos usado e o beOne oferece recursos para os clientes se adaptarem rápido a tal realidade.

As histórias de ficção não mostraram se havia algum banco virtual no futuro, mas várias outras invenções já fazem parte do presente.

Muita gente já se acostumou com diversas delas. Quem resiste às novidades acaba enfrentando dificuldade, como aconteceu durante a pandemia.

O banco virtual surgiu para facilitar a vida em vários sentidos e ele é mesmo mais vantajoso em comparação ao modelo tradicional.

Descubra por que você precisa abrir conta em um banco digital para não correr o risco de, no futuro, não ficar sem acesso ao dinheiro.

O mundo visto na ficção científica já está no presente

O banco virtual traz cada vez mais vantagens ao cliente e o custo para manter uma conta nele é bem menor. Todas as operações são feitas online, de forma mais fácil, rápida e segura. O futuro chegou ao mercado financeiro e isso tem tudo a ver com você. Descubra por quê.

Várias tecnologias vistas no desenho Os Jetsons já estão presentes no atual dia a dia e muitas delas nem chamam a atenção. Esteira rolante, televisão de tela plana e tablet deixaram de ser novidade há muito tempo.

Outros itens são mais novos, como por exemplo, o relógio de pulso com funções de computador, o assistente pessoal que tira dúvidas (Siri e Google Assistente) e, claro, as tão indispensáveis chamadas de vídeo.

As pessoas vão incorporando as tecnologias e, a partir daí, adotando novos hábitos. Muita gente que está lendo esse texto, nunca foi à locadora pegar um filme em VHS. O tempo passou muito rápido nas últimas décadas.

Existe a tendência de que ele avance de forma ainda mais veloz daqui em diante. O desafio está em acompanhar esse ritmo tão frenético, pois, às vezes, a ciência não espera (nem deve) que se acostumem com ela.

A adaptação às novas tecnologias está diretamente ligada ao quanto elas mexem com o bolso das pessoas. No extremo, até com a sobrevivência. Basta ver como (quase) todo mundo se virou com a informática durante a quarentena.

Quer um exemplo?

Em março, quando souberam que as agências bancárias fechariam por causa da Covid-19, muitos clientes aprenderam a baixar o app do banco no celular ou fizeram a assinatura eletrônica, com o objetivo de realizar pagamentos online.

O medo da tecnologia foi vencido pelo instinto de sobrevivência.

Veja agora como a informática já está mudando faz tempo a sua forma de lidar com dinheiro.

Tecnologia vai resultar em transação sem dinheiro físico

Mulher paga a conta usando o celular e aplicativo do beOne, seu banco virtual.

O dinheiro será cada vez menos usado e o beOne oferece recursos para os clientes se adaptarem rápido a tal realidade.

Depois do cheque, o cartão de débito foi o primeiro grande passo para eliminar a necessidade de ter dinheiro na carteira para comprar à vista. Essa inovação levou a novos hábitos, tornou o cheque desnecessário no dia a dia e reduziu a quantidade de papel moeda circulando no mercado.

De lá para cá, esse movimento de substituição na forma de pagamento vem não apenas ficando mais rápido, mas também agregando novas tecnologias. Com o uso do celular para fazer pagamentos, o QR code chegou como uma ferramenta que vai eliminar ainda mais o uso da cédula.

Isso só se tornou possível porque o banco ficou literalmente da palma mão. Usar os aplicativos das instituições financeiras está fazendo com que ninguém precise da agência física para contratar serviços, nem realizar movimentação de capital. É como se o celular fosse a nova carteira, com os documentos e o dinheiro.

A Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2020 revelou que os dispositivos móveis estão se tornando o principal canal usado para contratar produtos financeiros e realizar transações da mesma natureza.

Segundo os dados da entidade, o cliente comum de Mobile Banking acessa o próprio banco 23 vezes por mês. Já quem usa bastante tal tecnologia (50% desses usuários), se conecta com a instituição financeira 40 vezes no mesmo período. Tudo isso leva à redução do dindin em papel.

Alguns países estão bem avançados nesse processo. A Suécia, por exemplo, já eliminou mais de 80% das cédulas e estima-se que até 2025 todas as transações sejam por meios digitais. O Reino Unido e os Estados Unidos seguem na mesma direção, mas com prazo de até dez anos para a mudança.

O beOne atua como banco virtual e oferece vantagens

Cliente de banco virtual consulta seus dados usando o aplicativo do celular.

Até mesmo os clientes sem conhecimento de informática estão adaptados ao aplicativo do beOne, porque é fácil usá-lo.

O Pix começou a ser usado no dia 16 de novembro e essa forma de pagamento instantâneo tende a incluir milhões de pessoas no sistema financeiro. Isso porque vários agentes desse segmento podem ter seu próprio Pix e a tecnologia populariza ainda mais a digitalização do setor.

Quanto maior for o acesso aos recursos digitais, menor será a necessidade de abrir ou manter uma conta num banco tradicional.

O beOne é uma empresa que chegou para inovar nesse ramo e seu aplicativo oferece vários benefícios, sendo que o principal é a conta Revolucione.

Essa fintech está derrubando barreiras ao abrir as portas, ou melhor, convidar os integrantes das casses C e D para baixar seu app. Eles têm muito a ganhar com isso:

  • Menos burocracia
  • Atendimento 24h
  • Isenção de tarifas
  • Pagamento de juros para dinheiro mantido na conta.

O beOne até criou um método para avaliar clientes com dívida ou sem renda mínima para abrir conta em bancos tradicionais, cheios de exigências.

Trata-se de uma iniciativa para gerar oportunidades a quem está excluído e tende a ficar numa situação ainda mais difícil num futuro próximo.

Outro diferencial do beOne está no atendimento. Um dos focos principais da empresa é manter a comunicação com o cliente de forma pessoal, atenciosa e cordial, em comparação às instituições do setor. O contato muitas vezes pode ser feito até com certos diretores.

Ao contrário do que se imagina, essa relação não é nada fria, distante ou impessoal. O cliente se sente mais à vontade porque está na sua própria casa e conversa com quem decide.

Esse conjunto de ações faz com que o relacionamento seja mais humanizado e com chances reais de continuar no longo prazo.

O banco virtual é mais fácil de usar do que se imagina

Faz parte da estratégia do beOne mostrar o caminho das pedras para as pessoas se acostumarem a realizar todas as transações pelo celular, sem qualquer dificuldade.

Mais um diferencial do beOne é investir no relacionamento com o cliente, incluindo aí a educação digital para que ele se sinta à vontade nesse universo totalmente virtual.

Exemplos dessas ações certamente são:

  • Divulgação constante de conteúdo novo no blog da empresa, para manter o cliente atualizado
  • Exibição de vídeos explicativos, tanto no Whatsapp, quanto na rede social da empresa
  • Ativação presencial do aplicativo, na loja credenciada, o que possibilita orientar os clientes que estão ali
  • Criação de pequenos e-books (em breve) para o cliente ler, aprender sobre o app e usá-lo com facilidade.

A iniciativa está dando muito certo.

Vários clientes mais velhos ou sem nenhum conhecimento de informática, já pagam as compras usando o QR code e até fazem transferências pelo smartphone.

De acordo com João Victor de Arruda Penteado, diretor do beOne, quem se considerava sem nenhuma habilidade para mexer na internet pelo celular, perdeu o receio porque viu que a operação era mais simples que imaginava. “Temos clientes que vão apenas às lojas que aceitam o nosso app”, exemplifica. Tal comportamento se deve inclusive à oferta de cashback feita em parceria com o comércio.

Os bancos digitais vieram para ficar. A epidemia de Covid-19 apenas acelerou o processo de digitalização das pessoas que ainda tinham receio de se envolver com essa novidade.

Daqui em diante, essa onda vai virar um tsunami e deixar boiando quem resistir às novas tecnologias. Essa é a consequência de um futuro que chega mais rápido do que nunca.

O que era ficção, enfim, está virando realidade. Só seguirá em frente quem aproveitar a oportunidade.

Os comentários estão encerrados.

PORTAL